Empoderamento, Body Positive e Atividade Física


A onda do empoderamento e Body Positive (movimento que celebra todos os tipos de corpos) chegou com tudo.

Para mim, isso é maravilhoso, padrões são invenções criadas por uma sociedade doente e amor próprio é algo fundamental para realizar qualquer coisa na vida.

Você deve estar pensando: “então por que você treina, faz dieta e tem um corpo dentro de um padrão estético socialmente aceitável?”

Vamos por partes:

1. Treino para ter saúde, porque treinar é meu trabalho, porque amo me desafiar e me desafio nos treinos todos os dias e SIM para alcançar um corpo mais firme porque eu GOSTO, mas NÃO se engane a ‘nóia’ do padrão também já me pegou e fez parte do meu crescimento como pessoa.

2. Dieta é a definição para a cota habitual de ingestão diária de alimentos, portanto, alguém que come bolacha no café da manhã, fast food no almoço e pizza no jantar também tem uma dieta.

Escolho ter uma dieta saudável na maior parte dos meus dias a ter uma alimentação rica em gorduras saturadas e guloseimas porque me amo por dentro e prezo pela saúde do meu corpo;

3. Meu corpo é ‘’padrão’’ porque é o meu corpo. Não nego que já tentei modificar muito ele, tentei me encaixar e talvez o corpo que tenho hoje nem seja o que eu teria originalmente, mas é o resultado de uma história e eu o respeito.

Bom, quero chegar no ponto em que vejo muitas pessoas no caminho da autoaceitação do corpo, deixando de praticar atividade física e de se alimentar bem, para mim, não faz muito sentido e eu vou explicar o porquê disso.

O radicalismo, seja do lado da obsessão com a estética perfeita ou do body positive, que vai além do biologicamente saudável, não faz sentido, uma vez que ambos os lados podem acabar por afetar negativamente todos os sistemas do seu corpo.

Acredito que não seja esse o objetivo.

Compreendo que o histórico de transtornos alimentares ou de transtornos psicológicos associados com a não aceitação do corpo levam muitos a ter ‘’ranço’’ de academia, por exemplo.

Entretanto, na minha opinião, se amar também inclui se amar por dentro.

Também inclui mexer e mostrar ao seu corpo que ele está vivo.

Também inclui dar ao corpo os nutrientes necessários para ele cumprir suas funções vitais, independente do formato que ele assuma.

Se você está no processo de autoaceitação e se sente desconfortável no ambiente de academia ou Box de Crossfit, se isso te traz lembranças ruins de um passado terrível, eu te entendo, mas não deixa de lado a sua saúde por conta disso.

Trabalhe duro para se curar de todos os seus transtornos, procure ajuda psicológica, se inspire em histórias de pessoas que já superaram isso e assim que puder busque uma atividade que te faça sentir bem e livre com o corpo que você tem e se nutra com alimentos que permitam que o seu organismo funcione da melhor maneira possível sem deficiências.

Viva o seu corpo da maneira como quiser e encontre a sua força para além do espelho, encontre a força que está do lado de dentro, é isso e só isso, que te torna único e especial.

Por Marleide Almeida