CrossFit na visão de Nutri: se alimentar bem faz toda diferença no treino!

O CrossFit é um método fisicamente e metabolicamente exigente de força e condicionamento.

O CrossFit incorpora ginástica, treinamento de força (incluindo levantamentos olímpicos), treinamento anaeróbico e atividades cardiorrespiratórias de alto intensidade em combinações variadas de cargas e esquemas de repetição. Tais ataques podem variar de 5 minutos ou menos a 30-45 minutos e, em casos raros, mais longos.  

Os treinos do dia (WODs) são baseados na competição e pontuados com base na capacidade do atleta de completar uma quantidade de trabalho o mais rápido possível ou de completar o máximo de trabalho possível dentro de um determinado período de tempo.

Semelhante a outros atletas de força/potência, o objetivo dos atletas CrossFit é maximizar a produção de energia, no entanto, enquanto outras performances de potência são intermitentes por natureza, o CrossFit é único em que as competições e treinamentos exigem expressões sustentadas de energia.

A maioria dos treinos do CrossFit não tem períodos prescritos de descanso, fazendo com que seu desempenho dependa da capacidade dos atletas de sustentar uma alta potência.

Os estresses metabólicos esperados e significativos no CrossFit são documentados como principalmente em suportar um consumo de oxigênio (VO2) em intensidades de limiares supra-anaeróbios, justamente com incrementos substanciais de lactato no sangue.

O treinamento de natureza tão intensa coloca uma demanda substancial na alta e contínua produção de energia pela via energética predominante glicolítica.

Assim, é possível que uma inadequação na ingestão de carboidratos durante um período de treinamento com CrossFit possa comprometer o estoque energético de glicogênio (estoque que carboidrato muscular e hepático) e consequentemente afetar a realização de exercícios e competições subseqüentes.

Nos próximos artigos irei falar mais especificamente sobre dicas nutricionais para melhorarem o desempenho nos treinos e competições no CrossFit.

Abraço,

Rodrigo Moreira